"Existe um espaço entre o tesão e o descontrole onde se misturam loucura e sonho... É neste espaço que quero me perder com você... Élfica"

sexta-feira, 27 de junho de 2008

1 mês e 19 dias...

... sem você.

SONETO 01 - Pietro Aretino...

I Modi, ilustração de Marcantonio Raimondi (desenhos que posteriormente inspiraram Aretino a escrever os 26 Sonetos Luxuriosos. Deveriam existir os 26 desenhos... deveriam.)


Mais que sonetos este livro aninha,

Mais que éclogas, capítulos, canções.

Tu, Bembo ou Sannazaro, aqui não pões

Nem líquidos cristais e nem florinhas.


Marignan madrigais não escrevinha

Aqui, onde há caralhos sem bridões,

Que em cu ou cona lépidos dispõem-se

Como confeitos dentro da caixinha.


Gente aqui há que fode e que é fodida.

De conas e caralhos há caudal

E pelo cu muita alma já perdida.


Fode-se aqui com graça sem igual

Alhures nunca assaz reproduzida

Por toda a jerarquia putanal.


Enfim loucura tal

Que até dá nojo essa iguaria toda

E Deus perdoe a quem no cu não foda.




graça...

e ele me disse: toda estrela cadente vira sereia... você é Élfica porque é sereia incandescente... achei graça, ri e me fui... elficamente me retirei...

DELICIOSA SEXTA ENCANTADA PRA QUEM POR AQUI PASSAR...

Beijos da Élfica...




uma mágoa...



Manhã de Mágoa

No cerrar das pálpebras
Olhar ao lado,
Somente um travesseiro. Apenas
A baderna de roupas espalhadas,
Atiradas ao chão,
Mas de uma só pessoa,

Eu
Desisto de amar,
Jogo o lenço,
Chuto o balde,
Deixo de sofrer.
Entrego-me à redenção,
Fazendo-me alheia aos olhos

Ferinos da fera ladina.
Que só espanca,
Escorraça,
Extirpa
Os sonhos tão infantis
De minhas íris há muito
Não luzentes.
Por que a dama não vem?
Se é gélida esta floresta
A qual me atiro,
E desbravo loucamente
Os desejos insensatos,
Insanos,
Castigados.
Se me entreguei,
Por que não se apoderaram
De minhas mãos,
Que de tão frias,
Hoje já não movem mais os dedos?
Por que a mágoa,
Se a hora, ainda era tão matinal?

BM

... 4


Me crucifican y yo debo ser la cruz y los clavos.
Me tienden la copa y yo debo ser la cicuta.
Me engañan y yo debo ser la mentira.
Me incendian y yo debo ser el infierno.
Debo alabar y agradecer cada instante del tiempo.
Mi alimento es todas las cosas.
El peso preciso del universo, la humillación, el júbilo.
Debo justificar lo que me hiere.
No importa mi ventura o mi desventura.
Soy el poeta

São Jorge L. Borges



quinta-feira, 26 de junho de 2008

domingo, 22 de junho de 2008

cansada...


Cansada.
Extremamente cansada e irritada.
Valores ignorados, pessoas abandonadas... tristeza em estado latente...
Coleira efêmera...
Sentido ou explicação?
pra quê??
VIVER supera qualquer sentido e qualquer explicação...


E como dizia a amiga Amy Winehouse, you know I'm no good...


Élfica afastada do blog por algum tempo... vou me deitar no Jardim, banhar-me em água doce e ofertar meu corpo às borboletas... elas haverão de me curar dos efeitos danosos da Vida.

Boa viagem!

sábado, 21 de junho de 2008

PIETRO ARETINO e seus Sonetos Luxuriosos...

Pietro Aretino

Nasceu em Arezzo, Itália, em 20/04/1492 e faleceu em Veneza, Itália, em 21/10/1556. Escritor, poeta e dramaturgo italiano.Libelista terrível e sem escrúpulos, vendia a pena a quem melhor pagasse. Era amigo de Ticiano, que lhe pintou o retrato.

Protegido e respeitado pelos nobres, que temiam a sua grande influência pessoal e a mordacidade dos seus escritos, desenvolveu em Roma, depois em Veneza uma carreira de panfletário licencioso, deixando principalmente em Cartas (1537-1557), o registro da vida cultural e política de sua época; em Juízos (1534), analisa a instituição cortesã como um fenômeno de prostituição física e moral e como efeito típico de uma socidade em crise.

Era admirado por personalidades, como o Papa Leão X, o que lhe garantia uma vida de rei, como ele mesmo gostava de dizer.

Viveu num estado de liberdade jamais conferido a outro homem de sua época. De forma ousada e pouco convencional para os padrões literários desse período, atacou nobres e clérigos, de tal maneira, que ficou conhecido na história pelo alcunha "Flagelo dos Príncipes".



Pintura de Paul Avril para os Sonetos Luxuriosos.

Eis um dos Sonetos Luxuriosos...

Fodamos, meu amor, fodamos presto.
Pois foi para foder que se nasceu.
E se amas o caralho, a cona amo eu;
Sem isto, fora o mundo bem molesto.

Fosse foder após a morte honesto,
"Morramos de foder!" seria o meu
Lema, e Eva e Adão fodíamos por seu
Invento de morrer tão desonesto.

É bem verdade que se esses tratantes
Não comessem do fruto traidor,
Eu sei que ainda fodiam-se os amantes.

Mas caluda e me enfia sem temor
Esse pau que à minha alma, em seus rompantes,
Faz nascer ou morrer, dela senhor.

E se possível for,
Quisera eu pôr na cona estes colhões
Que de tanto prazer são espiões.



Curiosidade: prostituição no Mundo Antigo...

Au Salon de la rue des Moulins, de Henri de Toulouse-Lautrec


Conceito

A sensibilidade sobre o que se considera prostituição pode variar dependendo da sociedade, das circunstâncias onde se dá e da moral aplicável no meio em questão.

Normalmente a prostituição é reprovada nas sociedades, devido a ser contra a moral dominante, à disseminação de doenças sexualmente transmissíveis (DST), (tal como o adultério), e impacto negativo na estrutura da família (embora os clientes possam ser ou não casados).

Na cultura silvícola de algumas regiões, inclusive no interior da Amazônia e em algumas comunidades isoladas, onde não há a família monogâmica, não existe propriedade privada e por conseguinte não existe a prostituição: o sexo é encarado de forma natural e como uma brincadeira entre os participantes. Já onde houve a entrada da civilização ocidental o fenômeno da prostituição passa a ser observado com a troca de objetos entre brancos e índias em troca de favores sexuais.


História

Na Antigüidade, em muitas civilizações, a prostituição era praticada por meninas como uma espécie de ritual de iniciação quando atingiam a puberdade.

No Egito Antigo, na região da Mesopotâmia e na Grécia, via-se que a prática tinha uma ritualização. As prostitutas, consideradas grandes sacerdotisas (portanto sagradas), recebiam honras de verdadeiras divindades e presentes em troca de favores sexuais.


Grécia e Roma

Na época em que a Grécia e Roma polarizaram o domínio cultural, as prostitutas eram admiradas, porém tinham que pagar pesados impostos ao Estado para praticarem sua profissão; deveriam também utilizar vestimentas que as identificassem, pois caso contrário eram severamente punidas.

Na Grécia, existia um grupo de cortesãs, chamadas de hetairas, ou heteras, que frequentavam as reuniões dos grandes intelectuais da época. Eram muito ricas, belas, cultas e de extrema refinação; exerciam grande poder político e eram extremamente respeitadas.


Cristianismo e Idade média

Durante a Idade Média houve a tentativa massiva de eliminar a prostituição, impulsionada, em parte, pela moral cristã mas também no grande surto de DSTs (principalmente sífilis). Em contrapartida, havia o culto ao casamento cortês, onde a política e a economia sobrepujavam aos sentimentos, e as uniões eram arranjadas somente por interesse (que por sí só já poder-se-ia considerar como prostituição), reforçam ainda mais a prostituição. Em muitas Cortes, o poder das prostitutas era muito grande: muitas tinham conhecimento de questões do Estado, tanto que a prostituição passou a ser regulamentada.

Quando houve a Reforma religiosa no século XVI, o puritanismo começou a influir de forma significativa na política e nos costumes. Somada a este evento, como já mencionado, aconteceu uma grande epidemia de doenças sexualmente transmissíveis. A Igreja Católica enfrentou frontalmente o problema da prostituição, lançando mão de recursos teológicos (dogmas, tradição e textos Bíblicos). Com a ação da Igreja Católica e das igrejas protestantes que surgiam a prostituição foi relegada a uma posição de clandestinidade, apesar da persistência de algumas cortesãs nas cortes Européias e de suas colônias.

(... curiosidades!)


Feliz Aniversário aO DONO de mim!!!!

DONO AMADO e QUERIDO...

TUA élfica agradece por compartilhar a TUA existência, o TEU amor, a TUA compreensão... carinhos, gestos, costas (hmm), mãos, olhos severos, riso tímido, músicas, delírios, nomes que me deixam ofegante... o aniversário é do SENHOR, mas sinto que o presente é meu... ser TUA é ser plena, é ser e estar totalmente feliz, amparada, amada, protegida, mulher...

Rogo ao Universo ceder-TE a cada instante deste Ano Novo que se inicia hoje e que durará um ciclo de mais doze meses, que cada minuto destes dias sejam repletos de magia, de encantos, de Amor, de respeito, prazer, saúde, fartura e sonhos realizados... todos os TEUS sonhos, SENHOR AMADO... os TEUS e os Nossos...

AMO-TE inteiro, SENHOR... Feliz Aniversário DONO de mim!


CONDUTAS PRECONCEITUOSAS NO BDSM...

Hoje, ao entrar passar pelo meu Jardim (meu perfil no orkut), me deparei com dois pedidos para adicionar: um totalmente desconhecido, suspeito e sem nem um pedidinho pra add e outro escrito algo assim: "Nunca entendi pq vc não me add como amigo".

Respondi a ele que pedisse ao DONO de mim, colei o endereço do perfil dO MEU SENHOR, disse, ainda, que achava o perfil dele interessante e que tínhamos gostos afins (poesias).

Obtive a seguinte resposta:

"Cabe a VC pedir essa permissãoVC que é a sub dele, não euNunca irei me rebaixar diante de um igu"
bem, com certeza ele escreveria IGUAL, se coubesse.

A minha resposta a essa grosseria foi similar, porém sem erro algum:
RESPOSTA A UMA RESPOSTA CRETINA:
Ahh Prince...
Élfica rindo aqui... quanta arrogância!! Não fui eu quem bateu no teu jardim pedindo amizade!!! Eu não acho que fazer amigos seja um "rebaixamento"... pedir ao Meu SENHOR para adicionar-me é uma prática tão respeitosa quanto pedir licença para entrar na casa de alguém, afinal, tanto Élfica quanto o espaço que ocupo por aqui, o Jardim, são posses de DOM MAXX... e uma correção: ELE não é teu igual, ELE é melhor.
Meus respeitos.

.....................................

Fiquei pensando por aqui... vivemos no mundinho BDSM, um espaço paralelo (?) onde compartilhamos nossas humildes existências com outras pessoas afins. Passamos por preconceitos, somos mal-vistos, mal-aceitos por quase toda a sociedade... SOMOS BDSM justamente por ultrapassarmos certas barreiras e vivermos plenos naquilo que nos faz bem. Nós nos bancamos, somos o que somos e vivemos felizes por conseguirmos realizar as nossas identidades.

Bem, há situações e situações... o que é regra no mundo baunilha pode não ser regra no mundo BDSM e vice-versa. Mas há pessoas que não respeitam a CASA ALHEIA...

Quem me conhece e convive comigo, sabe da seriedade com que trato os temas, conhece minha trajetória e sabe, antes de mais nada, que tudo que sai ou entra na minha vida parte do princípio do RESPEITO RECÍPROCO.

Quando eu me interesso por algum perfil, se a futura-amiga tem um Senhor, eu pergunto à ela se posso pedir ao dono dela para adicioná-la (claro, se tenho um DONO primeiro pergunto a ELE se posso)... Se a Amiga aceita a minha amizade, aí peço ao Dono dela... não posso sair por aí adicionando "posses" dos outros... não entro na casa de ninguém sem ser convidada e, ainda assim, peço licença. Não tomo as "coisas" dos outros sem pedir. Não desrespeito as pessoas em suas casas... LOGO, não me desrespeitem no MEU JARDIM, que é tão de MEU SENHOR quanto meu.


Já é complicado demais viver as relações baunilhas. É mais complicado ainda, viver entre o mundo baunilha e o BDSM... agora, querer complicar o mundo BDSM!!! Tenha a santíssima paciência!!

SOU submissa, mas não sou idiota, nem burra. Sou submissa somente para o DONO de mim: é a ELE que dedico a minha essência, meus encantos, minhas magias, meus carinhos e meu imenso Amor. Trato todas, TODAS, as pessoas com carinho e respeito. Sou simpática por natureza e educada desde o berço, não sei ser diferente. Será que é muito egoísmo de minha parte querer que as pessoas sejam assim, educadas??

Pois bem, aqui, neste blog, neste meu caderninho que escrevo às sombras das lindas árvores do meu JARDIM, registro o que gosto, o que quero, o que me faz e me deixa bem... e infelizmente, registro esse acontecimento infeliz que me acometeu a manhã.

O pior de tudo foi o tal "indivíduo" dizer que meu AMADO SENHOR é um igual dele! rsss Quanta ironia, né!! MEU SENHOR é TUDO!! É lindo, maravilhoso, educadérrimo, charmoso, cheiroso, BRAVO que é uma delícia... como é que o sujeito quer se comparar com o DONO de mim?? Ahh meus sais, né!

DOM MAXX é minha alma... não tem como o sujeito achar que é um par ou um igual ao DONO meu...

Bem, cada Amiga com seu Senhor, né! Só acho que DESRESPEITO e PRECONCEITO são inconcebíveis no nosso meio e que pessoas que praticam esses atos devam ser identificadas e banidas... se alguém quiser levantar essa bandeira, conte comigo.

Meus beijinhos mágicos a quem por aqui se aventurar... sorte, saúde e amor a todos!

Namastê


sexta-feira, 20 de junho de 2008

Eu te amo não diz tudo (Texto de Arnaldo Jabor)




O cara diz que te ama, então tá ! Ele te ama. Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado. Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as 3 palavrinhas mágicas.

Mas ouvir que é amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de quilômetros.

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras, precisa de lealdade, sinceridade, fidelidade…

Sentir-se amado, é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você quando for preciso. Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou há dois anos atrás; é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando
diz que você está fazendo uma tempestade em copo d’água.

Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão…. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.

Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; Quem não levanta a voz, mas fala; Quem não concorda, mas escuta.

Agora, sente-se e escute: Eu te amo não diz tudo!


“Me ame quando eu menos merecer, pois é quando eu mais preciso”.


Uma sexta-feira iluminada a todos...

domingo, 15 de junho de 2008

Ananga-Ranga...




Shunga...



A indústria da pornografia é, provavelmente, tão antiga como o próprio mundo. Nas civilizações orientais, nomeadamente no Japão, pensa-se que a produção de desenhos eróticos remonta ao final do 1º milénio para consumo exclusivo da corte. A função primeira destes desenhos era, obviamente, a estimulação visual, mas também era utilizados para ensinar os jovens a comportarem-se em questões de sexo, desde os preliminares até à higiene. A partir do século XVI a produção e circulação de desenhos eróticos, então denominados shunga, conheceu um grande crescimento graças à técnica da gravura em madeira, tendo atingido níveis de elevada sofisticação e qualidade estética.


As gravuras shunga eram executadas e comercializadas quer isoladamente, quer em livros contendo doze imagens, denominados enpon, quer ainda em rolos, esta última forma a mais rara e também a mais cara. Os temas retratados eram variados e, por vezes, surpreendentes, uma vez que os japoneses possuíam preferências sexuais também variadas; a maior parte dos desenhos representava contudo cenas heterossexuais que podiam ir do simples amor sensual até à mais refinada pornografia. Curiosamente, devido à nudez não ter conotações eróticas no Japão, as figuras encontravam-se quase totalmente vestidas e revelavam somente os órgãos sexuais, exagerados em tamanho.



Até os maiores artistas da gravura tradicional japonesa se dedicaram a este gênero, à época considerado menor, tendo o cuidado de conservar o anonimato de modo a não prejudicar as suas carreiras "sérias". Nomes como Utamaro, Hokusai, Hiroshige e, sobretudo, Kunisada executaram bastantes desenhos e contribuíram para elevar a sua qualidade estética. As gravuras shunga chegaram a atingir preços elevados e os artistas, trabalhando para empresários do ramo, faziam bom dinheiro. As autoridades fizeram diversas tentativas para limitar ou mesmo banir este género, todas sem sucesso: a arte shunga continuou a florescer. Hoje em dia permanece sob a forma de mangás.






Publicado em Artes e Letras, por SEVEN em 6 ago 2007 11:38 AM / OBVIOUS

sábado, 14 de junho de 2008

Cântigo negro, de José Régio...




"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces... estendendo-me os braços, e seguros
de que seria bom que eu os ouvisse quando me dizem: "vem por aqui!
Eu olho-os com olhos lassos, (há, nos olhos meus, ironias e cansaços) e cruzo os braços, e nunca vou por ali...

(...)
Não, não vou por aí! Só vou por onde me levam meus próprios passos...
(...)
Se ao que busco saber nenhum de vós responde por que me repetis: "vem por aqui!"?
(...)
Se vim ao mundo, foi só para desflorar florestas virgens, e desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
(...)
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós, e vós amais o que é fácil! Eu amo o Longe e a miragem, mmo os abismos, as torrentes, os desertos...
(...)
Ah, que ninguém me dê piedosas intenções! Ninguém me peça definições! Ninguém me diga: "vem por aqui"! A minha vida é um vendaval que se soltou. É uma onda que se levantou. É um átomo a mais que se animou... não sei por onde vou, não sei para onde vou - sei que não vou por aí!"

(Cântico Negro, José Régio)


"Vem serenidade!
Faz com que os beijos cheguem à altura dos ombros
e com que os lábios cheguem à altura dos beijos."





.


"De olhos vendados

sigo o instinto
e navego pelo mar da imaginação!
Oiço as gaivotas,
remo sobre as ondas
e a água salgada enche o meu barco como se fossem flores!"

(a.d.)


"um cavalo a correr

desatou súbita magia

nas crinas do vento

nas pedras do mundo."

(Faustino)

terça-feira, 10 de junho de 2008

Balzac...




"Nunca devemos julgar as pessoas que amamos.

O amor que não é cego, não é amor".

Honoré de Balzac

sábado, 7 de junho de 2008

Vida cigana...






Oh! Meu Amor não fique triste
Saudade existe pra quem sabe ter
Minha vida cigana me afastou de VOCÊ
Por algum tempo vou ter que viver por aqui

Longe de VOCÊ, longe do SEU carinho
E do SEU olhar
Que me acompanha tem muito tempo
Penso em VOCÊ a cada momento

Sou água de rio que vai para o mar
Sou nuvem nova que vem pra molhar
Esse DONO que é VOCÊ

Para mim VOCÊ é lindo
É o DONO do meu coração
Que bate tanto quando LHE
É a verdade que me faz viver por aqui.


Saudades que parecem mais uma eternidade!
Volta, Senhor!

Élfica...

Algumas imagens que representam - para mim -, o que é BELEZA...