"Existe um espaço entre o tesão e o descontrole onde se misturam loucura e sonho... É neste espaço que quero me perder com você... Élfica"

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Élfica 
em 
férias... 

muuuitas 
férias 

merecidíssimas!!!




Volto em fevereiro!


Beijos mágicos por aqui...

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009



 It's only when I lose myself in someone else
Then I find myself
I find myself

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

A pain that I'm used to...


Just give me a pain that I'm used to


I close my eyes... 


I pay the price for your paradise... 


I love it...







Just give me a pain that I'm used to

Élfica...















sábado, 12 de dezembro de 2009

Drummond...



"Se procurar bem, você acaba encontrando não a explicação (duvidosa) da vida, mas a poesia (inexplicável) da vida."

(Carlos Drumond de Andrade)

Só pra distrair...


Dois baianos estirados nas redes estendidas na sala:
- Oxente, será que tá chovendo?
- Sei não, meu rei...
- Vai lá fora e dá uma olhada...
- Vai você...
- Vou não, tô cansadão...
- Então, chame nosso cão...
- Oxente, chame você...
- Ô Fernando Afonso!
O cachorro entra na sala, para e deita de costas para os dois.
- E então, meu rei, tá chovendo?
- Tá não... O cachorro tá sequinho.

Eu gostei! Rss

... 10


Aprendi com a primavera a me deixar cortar. 
E a voltar sempre inteira.

(Cecilia Meireles)

O tempo...













"O tempo é muito lento para os que esperam... muito rápido para os que têm medo... muito longo para os que lamentam... muito curto para os que festejam.... mas, para os que amam, o tempo é eternidade.


(Shakespeare)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Contagem regressiva...





...tão infinitas as marcas de Teus pés no meu passado e de Tuas mãos pelo meu corpo...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

... 8


(Imagem: Robert Gregory Grifeth)

E é com essa bagagem de preconceitos adquiridos
que chega-se à conclusão,
na separação de amores doloridos,
de que não houve culpados.
Só feridos.

(Leila Mícolis)

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

2.2...


Lugar sem comportamento é o coração e ando em vias de ser compartilhada.

Sou qualquer coisa judiada de ventos e sobre mim repousa uma garoa sobre a noite...

A luz das horas me desproporciona e no fim das trevas vejo O Senhor.

É tarde e tenho fome e tenho sede... TE busco num gosto que ficou guardado na língua.



Élfica TUA

domingo, 6 de dezembro de 2009

S...

... Não solto o que Me pertence...




... este corpo é MEU... nele, tu só habita.

Escolhestes servir.








...tua obediência ME encanta...




Te prendi... sei que te prendi e não solto o que ME pertence...


Te prendi...


obrigada, Senhor... por me manter presa a TI, por me transformar na mulher que eu desconhecia ser. 

Obrigada por permitir-me estar acorrentada a TI todos os dias, em todas as horas. 

Meus olhos, quando TE enxergo ou quando penso no Senhor, encontram o lugar que me cabe: na sombra dos TEUS pés... não há paz maior que esse lugar que amo e adoro... obrigada, Senhor...

TUA puta,
TUA cadela
TUA submissa e somente TUA.

sábado, 5 de dezembro de 2009

To love somebody, Nina Simone...

 
















There's a light
A certain kind of light
It's never shown on me
I want my whole life to be
Lived with you
Lived with you

There's a way
Everybody says
Do each and every litlte thing
What good does it bring
If I ain't got you If I ain't got you
If I ain't got you If I ain't got you


You don't know
What it's like
Baby you don't
What it's like
To love somebody
To love somebody
The way I love you

In my brain
See your face again
I know my frame of mind
You ain't got to be so blind
And I'm blind so blind

But I'm a woman
Can't you see what I am
I live and breathe for you
What good does it do
If I ain't got you If I ain't got you
If I ain't got you If I ain't got you

Say you don't know
What it's like
Baby you don't know what it's like
To love somebody
To love somebody
The way I love you

Oh no, no, no, no, you don't know
What it's like
Baby you don't know
To love somebody
To love somebody
The way I love you

Aluna...




















Conservo-te o meu sorriso
para, quando me encontrares,
veres que ainda tenho uns ares
de aluna do paraíso...

Leva sempre a minha imagem
a submissa rebeldia
dos que estudam todo o dia
sem chegar à aprendizagem...

- e, de salas interiores,
por altíssimas janelas,
descobrem coisas mais belas,
rindo-se dos professores...

Gastarei meu tempo inteiro
nessa brincadeira triste;
mas na escola não existe
mais do que pena e tinteiro!

E toda a humana docência
para inventar-me um ofício
ou morre sem exercício
ou se perde na experiência...

(Cecília Meireles)

terça-feira, 24 de novembro de 2009

O tempo não pode apagar a poesia do AMOR...


Imagem: Duarte, S.

 

Não quero perder a poesia,
justificado pelo tempo...
Ela pode mudar rimas e versos...
Mas tem o seu lugar...
A poesia do tanto querer,
do gostar...
De apenas se confirmar um amor...
Ele fica mais maduro com o tempo...
Nasce pleno a cada manhã...
Com reflexos dourados de carinho...
Porque esse tempo permite que se conheça melhor o outro...
Aprimora os sentimentos...
Aguça os toques...
Conhece a geografia do corpo...
Percorre estradas, montes...
Mas, se enfeita sempre de maneira diferente...
Olhos sorrindo...
Não quero deixar de falar baixinho...
Palavras entendidas...
Incompreensíveis...
Sentidas...
Expressões de amor...
De gritar o prazer...
De assim ser: sua!
Uma linha pode ser poética,
porque se teve a intenção ...
Ela advém do sentimento...
Do momento...
Do coração...
Não se pode perder a poesia do amor...

Porque o próprio amor é um lindo poema...
Versos da aceitação...
Versos dos toques,
Versos ilimitados do tempo...
De duas vidas se faz uma única...
Vida plena...
Vida de lutas,
Na poesia do tempo...
Num bailar do poema escrito pelo coração:

O AMOR!
(Jane Lagares)

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Doida...

"Toda mulher é doida.
Impossível não ser.
A gente nasce com um dispositivo interno que nos informa desde cedo que, sem amor, a vida não vale a pena ser vivida.
Eu só conheço mulher louca.
Pense em qualquer uma que você conhece e me diga se ela não tem ao menos três dessas qualificações: exagerada, dramática, verborrágica, maníaca, fantasiosa, apaixonada, delirante.
Pois então. Também é louca. E fascina a todos.
Todas as mulheres estão dispostas a abrir a janela, não importa a idade que tenham. Nossa insanidade tem nome: chama-se Vontade de Viver até a Última Gota.
Só as cansadas é que se recusam a levantar da cadeira para ver quem está chamando lá fora.
E santa, fica combinado, não existe. Uma mulher que só reze, que tenha desistido dos prazeres da inquietude, que não deseje mais nada? Você vai concordar comigo:
só sendo louca de pedra. "
Martha Medeiros)

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

... 6





Meu bem, guarde uma frase pra mim dentro da sua canção
Esconda um beijo pra mim sob as dobras do blusão
Eu quero um gole de cerveja no seu copo no seu colo e nesse bar
Meu bem, o meu lugar é onde você quer que ele seja
Não quero o que a cabeça pensa eu quero o que a alma deseja
Arco-íris, anjo rebelde, eu quero o corpo tenho pressa de viver
Mas quando você me amar, me abrace e me beije bem devagar
Que é para eu ter tempo, tempo de me apaixonar
Tempo para ouvir o rádio no carro
Tempo para a turma do outro bairro, ver e saber que eu te amo
Meu bem, o mundo inteiro está naquela estrada ali em frente
Tome um refrigerante, coma um cachorro-quente
Sim, já é outra viagem e o meu coração selvagem
Tem essa pressa de viver
Meu bem, mas quando a vida nos violentar
Pediremos ao bom Deus que nos ajude
Falaremos para a vida: "Vida, pisa devagar meu coração cuidado é frágil;
Meu coração é como vidro, como um beijo de novela"
Meu bem, talvez você possa compreender a minha solidão
O meu som, e a minha fúria e essa pressa de viver
E esse jeito de deixar sempre de lado a certeza
E arriscar tudo de novo com paixão
Andar caminho errado pela simples alegria de ser
Meu bem, vem viver comigo, vem correr perigo
Vem morrer comigo, meu bem, meu bem, meu bem
Talvez eu morra jovem:
Alguma curva no caminho, algum punhal de amor traído
Completará o meu destino, meu bem...
Que outros chamam de baby.

Belchior

Uns versos...



Sou sua noite, sou seu quarto
Se você quiser dormir
Eu me despeço
Eu em pedaços
Como um silêncio ao contrário
Enquanto espero
Escrevo uns versos
Depois rasgo

Sou seu fado, sou seu bardo
Se você quiser ouvir
O seu eunuco, o seu soprano
Um seu arauto
Eu sou o sol da sua noite em claro,
Um rádio
Eu sou pelo avesso sua pele
O seu casaco

Se você vai sair
O seu asfalto
Se você vai sair
sou a chuva
Sobre o seu cabelo pelo seu itinerário
Sou eu o seu paradeiro
Em uns versos que eu escrevo
Depois rasgo

Adriana Calcanhoto

domingo, 8 de novembro de 2009

Teu nome mais secreto...


Só eu sei teu nome mais secreto
Só eu penetro em tua noite escura
Cavo e extraio estrelas nuas
De tuas constelações cruas

Abre–te Sésamo! – brado ladrão de Bagdá
Só meu sangue sabe tua seiva e senha
E irriga as margens cegas
De tuas elétricas ribeiras,

Sendas de tuas grutas ignotas
Não sei, não sei mais nada.
Só sei que canto de sede dos teus lábios
Não sei, não sei mais nada.


(Adriana Calcanhoto)

Âmbar...





Tá tudo aceso em mim
Tá tudo assim tão claro
Tá tudo brilhando em mim
Tudo ligado
Como se eu fosse um morro iluminado
Por um âmbar elétrico
Que vazasse dos prédios
E banhasse a Lagoa até São Conrado
E ganhasse as Canoas
Aqui do outro lado
Tudo plugado
Tudo me ardendo
Tá tudo assim queimando em mim
Como salva de fogos
Desde que sim eu vim
Morar nos seus olhos

(Adriana Calcanhoto)

eu queria que você viesse...





Eu queria que você viesse
Penso tanto que quase acontece
Porém, se eu decidir não me enganar assim
Talvez o meu pranto tenha fim
Se você ouvisse minha prece
Não quisesse me ver tão aflita
Sonhar não custa nada
Eu quero tanto ainda
Grata te daria uma saliva
Junto com você a vida impera
Nosso 3X4 na carteira
Vendo a meia-lua, a luz e meia
Rogo que me faça uma visita

Eu sonho tanto porque tanto lhe amo assim
O sonho é santo porque traz você pra mim

(Marisa Monte e Carlinhos Brown)

sábado, 7 de novembro de 2009

Só um lembrete do Quintana...





"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!

Quando se vê, já é sexta-feira...

Quando se vê, já terminou o ano...

Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.

Quando se vê, já passaram-se 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho, a casca dourada e inútil das horas.

Desta forma, eu digo:

Não deixe de fazer algo que gosta, devido à falta de tempo, pois a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará mais."

Mário Quintana

Desencantados...




Houve uma época em que as pessoas se diziam encantadas por se conhecerem umas às outras. Essa época já passou, ao que parece, e não tanto porque as nossas maneiras de hoje sejam mais rudes, mas porque, desencantados, a idéia de nos encantarmos com o que quer que seja se tornou extremamente aborrecida. Quem se diz encantado por ter conhecido outra pessoa corre o risco de parecer antiquado. E, a não ser que admita que esse encantamento contém em si uma boa dose de desencanto, correrá também o risco de dar a entender, no instante do cumprimento, que está à espera das maiores decepções – quem sabe até preparado para elas ou a desejar que aconteçam. Só assim poderá escapar à suspeita – inevitável – de que, ao dizer-se encantado por conhecer alguém, não ultrapassou os limites da discrição, tomando o outro por aquilo que ele não é.



Dizer-se encantado, depois de séculos de ciência e de exorcismo dos velhos fantasmas da cultura, contém um grão de ironia e, suporíamos mesmo, de insensatez. O fato é que já não nos encantamos facilmente, nem mesmo quando lemos livros sobre bruxos ou histórias de mágicos. E, quando vamos ao cinema, estamos preparados para admitir que não seremos enganados, distinguindo, com olho excessivamente crítico, as trucagens e os malabarismos de cena que visam por certo a produzir em nós o efeito do encantamento. Como nos encantaríamos, se sabemos que, ali, o preço do susto ou do espanto é mais ou menos proporcional ao que pagamos para assistir à sessão?



Só alguém que fosse vítima de um exagerado otimismo poderia admitir que há aí qualquer coisa de genuíno. Acostumados ao desencanto diário (que se distingue – admitimos – do desencantamento, mas não entraremos em detalhes sobre tal questão), é provável que a ideia de que ainda podemos nos encantar nos encante mais do que o encantamento em si próprio. Porém causaria espécie ouvir alguém dizer que está encantado com a possibilidade de encantar-se e que o encantamento em si lhe é indiferente, até porque ainda não chegamos a esse grau de refinamento em nosso modo sutil de ver as coisas. Preferimos, na maioria das vezes, deduzir que quem se encanta ou se diz encantado está apenas mentindo, e pode ser que por esse motivo o emprego da palavra em ocasiões de encontro com desconhecidos tenha caído em desuso. Dizer-se encantado por conhecer outra pessoa ou por ter sido apresentado a ela é, por assim dizer, exagerar na cortesia, e então preferimos o uso de uma interjeição discreta e impessoal, pois dará a entender que ainda queremos ser honestos.



A origem do aborrecimento está em que nosso ceticismo tem raízes profundas. E nosso senso de verdade não vai ao extremo de nos forçar a dizer, ao conhecermos alguém, que nos sentimos desencantados com isso – o que seria mais verdadeiro, mas provavelmente soaria menos polido. As interjeições impessoais têm a vantagem de não nos comprometerem, ao mesmo tempo em que salvaguardam nossa consciência. Elevando de repente uma indispensável barreira de bom senso entre nós e o desconhecido, acabam por lisonjear a ambas as partes, pois é provável que do outro lado se esteja a pensar a mesma coisa. E só mesmo por exagero, por um excesso de honestidade que não esconde a descortesia, ousaríamos dizer que por amor do outro chegamos até o ponto de perdermos a cabeça ou a honestidade.



Com certeza, isso não implica que já não possamos crer genuinamente no encantamento. Mas crer é uma coisa e encantar-se de fato é outra, muito diferente. Quanto a este aspecto, pode ser que a contigüidade entre as duas idéias ou certa confusão que nos leva a tomar uma pela outra interfiram no caso, conduzindo muita gente a pensar que ao dizer-se encantada em conhecer os outros esteja sendo sincera ou que, pelo menos, esteja a dizer a verdade. A sinceridade, logo se vê, ainda teria de ser provada numa etapa posterior.



Cabe suspeitar que, fora de moda, ou irremediavelmente perdida numa região do passado onde as velharias não param de acumular-se, a expressão apenas pode despertar em nós um sentimento de inadequação. E essa inadequação tem a ver, antes de tudo, com o sentimento correlato de que já não nos deixamos encantar – de que isso é coisa de uma época remota.

R.S./A.M.

Fragmentos de un evangelio apócrifo, Jorge Luis Borges...




27. Yo no hablo de venganzas ni de perdones; el olvido es la única venganza y el único perdón.

30. No acumules oro en la tierra, porque el oro es padre del ocio, y éste, de la tristeza y del tedio.

33. Da lo santo a los perros, echa tus perlas a los
puercos; lo que importa es dar.

41. Nada se edifica sobre la piedra, todo sobre la arena. Pero nuestro deber es edificar como si fuera piedra la arena...

saudade 3...

















saudade é o alimento da solidão...

Vinícius de Moraes...


Ai de quem ama

Quanta tristeza
Há nesta vida
Só incerteza
Só despedida

Amar é triste
O que é que existe?
O amor

Ama, canta
Sofre tanta
Tanta saudade
Do seu carinho
Quanta saudade

Amar sozinho
Ai de quem ama
Vive dizendo
Adeus, adeus

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Poema elegíaco... trechos

“Eu me acostumo, Amor, sempre acostumo.
Eu me acostumo a estar sem ti. Tu o entendes?

Quer dizer, Amor, que não amanhece mais para nós dois;
quer dizer que aprendi a abrir os olhos sem teus beijos;
quer dizer que esqueces, Amor, que eu te esqueço.


(...)
E acostumar-se é uma coisa obscura, é uma coisa
eterna, sem caminhos
como um cair
cair
no vazio...
(...)"







Élfica recomenda...

http://cremososefuriosos.blogspot.com


Beijos mágicos

...

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Parece simples...



... mas adoro quando a minha boca passeia em TEU PAU e TU me olhas...

olha a TUA puta TE lambendo, TE sugando como uma cadela faminta...

ótima sexta a todos...




Beijos mágicos da Élfica...

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Álvaro Apocalypse... a redenção pelo sonho

Mineirou-se em Belo Horizonte no início dos anos 50... foi o Criador do Giramundo... na minha humilde concepção, o melhor e mais maravilhoso teatro de bonecos do mundo.
Se estiver passeando por BH, reserve um dia pra se deliciar pelo Museu Giramundo... Élfica recomenda!

www.giramundo.org
R. Barão de Varginha, 235
Belo Horizonte - MG, 31110-070
(31) 3421-1114


Esses são alguns trabalho de Álvaro Apocalypse... pinturas e desenhos... os bonecos estão nas minhas lembranças e no Museu Giramundo, esperando-te!
Dê-se esse presente!

Beijos mágicos e encantados!









quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Tu...

















porque Tu és o sol,
és o ar,
o céu
A água
que me mata a sede
A cama
que me concede o sono
O alimento
que me sacia a fome
Tudo, porque és meu DONO.

adoro veneno...





...amor:
cura
fere
enleva e martiriza
perpetua-se...

inspira e aterroriza
.
coração que flutua
:
alma que exulta,

agoniza
.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

O Amor...


(imagem: Yay Hooray)

Não existe AMOR mais intenso e verdadeiro que O Amor que sente e oferta O Ser submisso... aO DONO de si... e de mim.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

.... 7




"A ausência de satisfação faz com que os objetos de amor surjam aos nossos olhos como envoltos em um mágico véu, e tenham aquela aparência de periculosidade que constitui o seu fascínio" Theodor Reik